Dicionário de Espiritismo

Dicionário de Espiritismo: Letra A.

Letra A

Dicionário de Espiritismo Letra A

Dicionário de Espiritismo Letra A

Dicionário de Espiritismo

Dicionário Espírita, vocabulário espírita, kardecista

Dicionário Espírita

A

Abnegar  [do latim abnegare]. 1. Ato de renunciar aos próprios interesses. 2. Abster-se, sacrificar-se.

Abóbada celeste – Denominação metafórica de céu, em vista da forma com que se apresenta sobre as nossas cabeças.

Abstração [do latim abstractione] – Estado em que a pessoa se encontra alheia da realidade circundante; estado de profunda meditação.

Acaso [do latim a + casu] – 1. Acontecimento imprevisível quanto às causas determinantes. 2. Para o Espiritismo, o acaso inexiste, em aplicação do axioma de que não há efeito sem causa.

Acendrar [do latim cinerare] – Apurar; purificar; acrisolar.

Acervo [do latim acervu] – 1. Em linguagem jurídica, é o conjunto dos bens que constituem a massa hereditária. 2. Acumulação, conjunto.

Acionado [do latim actionare] – Colocar em movimento, pôr em ação.

Adâmico [do latim Adam] – 1. Referente a Adão, próprio de Adão. 2. Primitivo.

Adepto [do latim adeptu] – 1. Aquele que conhece ou é iniciado nos fundamentos de uma religião, seita, filosofia, etc., com a qual se vincula. 2. Prosélito, partidário, sectário. 3. O Espiritismo possui quatro tipos de adeptos: a) experimentadores – crêem na existência dos Espíritos e em suas manifestações, limitando-se a comprová-las, por considerar o Espiritismo uma ciência experimental; b) exaltados ou de boa-fé – aceitam os fatos e fenômenos, mas sem verificação e sem reflexão, sendo mais nocivos que úteis à causa espírita; c) imperfeitos – percebem a filosofia e suas conseqüências morais, mas não as praticam; d) espíritas-cristãos – conhecem a filosofia e a praticam, esforçando-se por se renovar vivenciando a moral espírita.

Adorar [do latim adorare] – 1. Render culto a (divindade). 2. Reverenciar, venerar, idolatrar, amar extremosamente. 3. É a elevação do pensamento a Deus, pois que, pela adoração, a alma Dele se aproxima.

Advertir [do latim advertere] – 1. Repreender levemente, observar, reparar. 2. Informar acerca de algo; aconselhar; prevenir.

Aeróbus [do grego aéreos + do inglês bus] – Carro aéreo espiritual que, conforme o Espírito André Luiz, seria na Terra um grande funicular, isto é, veículo com tração por cabos acionados por motor estacionário e que freqüentemente se utiliza para vencer grandes diferenças de nível – tipo teleférico.

Aferir [do latim afferere] – Avaliação, julgamento comparativo.

Afetividade [do latim affectivu] – 1. Conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam em forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou de prazer, satisfação ou insatisfação, agrado ou desagrado, alegria ou tristeza. 2. Qualidade de quem é afetivo.

Afeto [do latim affectu] – O elemento básico da afetividade.

Afinidade [do latim affinitate] – 1. Relação de afim. 2. Semelhança, analogia. 3. Lei de Afinidade, conforme ensinamento dos Espíritos: os semelhantes se atraem, os diferentes se repulsam e os positivos predominam sobre os negativos.

Aforismo [do grego aphorismós] – 1. Máxima. 2. Enunciado conciso de princípio ou regra prática de comportamento.

Agênere [do grego: a + géiné, geinomai] – 1. Variedade de aparição tangível. 2. Estado de certos Espíritos que podem revestir, temporariamente, as formas de uma pessoa encarnada, ao ponto de produzirem completa ilusão.

Agente [do latim agente] – Aquele que age, opera, agencia, promove, causa, pratica uma ação.

Agnosticismo [do grego: ágnostos + -ismo] – 1. Doutrina que prega ser inacessível ao entendimento humano toda a noção de absoluto, reduzindo a ciência ao conhecimento do fenomenal e do relativo. 2. Teoria que ensina a radical impossibilidade dos nossos conceitos exprimirem positivamente algo sobre Deus.

Água fluidificada – É a água magnetizada, impregnada de fluidos benfazejos, fortificantes ou terapêuticos.

Akásico [do sânscrito ákasa] – Diz respeito a céu, celeste. Ver: Registro(s) akásico(s).

Albergue [do latim medieval gótico haribaírgo] – 1. Hospedaria. 2. Abrigo, refúgio, asilo, local em que se recolhe pessoas por caridade.

Alegoria [do grego allegoría] – Figura de comparação entre objetos ou ações; metáfora; processo ficcional pelo qual um objeto é apresentado de maneira que dê a idéia de outro.

Alegria [do latim alacre] – Estado exteriorizado de satisfação e de prazer, sem a plenitude ou a permanência da felicidade.

Além [do latim vulgar alid + ende, en < inde] – 1. Lugar distante; horizonte; confins. 2. O outro mundo; mundo espiritual.

Alma [latim anima, do grego anemos] – É o ser imaterial, distinto e individual, unido ao corpo que lhe serve de invólucro temporário, isto é, o Espírito em estado de encarnação, e que somente pertence à espécie humana.
Nota de Escola de Espiritualidade Espirito Infinito: os animais também têm alma.

Alma Universal – nome dado por certos filósofos ao princípio geral da vida e da inteligência (Vide Todo universal).

Altruísmo [do francês altruisme] – 1. Palavra forjada por Augusto Comte para designar o amor ao próximo, no sentido mais geral, isto é, a inclinação natural que nos impele a preferir o interesse geral ao nosso próprio interesse. 2. É a atitude moral que consiste em sacrificar o seu interesse em favor do outro e em especial da comunidade. Antônimo de egoísmo.

Alucinação [do latim alucinatione], errar – 1. Ato ou efeito de alucinar; devaneio, delírio, ilusão. 2. Experiência sensorial sem base na realidade.
“Erro, ilusão da pessoa que julga ter percepções que realmente não tem”. (Academia Francesa). – Os fenómenos espíritas provenientes da emancipação da alma provam que aquilo que é qualificado como alucinação frequentemente é uma percepção real, análoga a da dor vista do sonambulismo ou do êxtase, e provocada por um estado anormal, um efeito das faculdades da alma desprendida de seus laços corpóreos. Sem dúvida por vezes há uma verdadeira alucinação, conforme o sentido ligado ao vocábulo; mas a ignorância e a pouca atenção que, até agora, tem sido prestada a tais fenómenos fizeram que considerassem como ilusório aquilo que, muitas e muitas vezes, é uma visão real. Quando não se sabe como explicar um fato psicológico, acha-se mais simples qualificá-la de alucinação.

Ambição [do latim ambitione] – Ânsia de poder, fama ou riqueza; grande desejo; cobiça; aspiração; cupidez.

Ambigüidade [do latim ambiguitate] – Qualidade ou estado de algo que se pode tomar em mais de um sentido, podendo gerar confusão.

Amnésia [do grego amnesía] – Perda total ou parcial da memória.

Amor [do latim amore] – 1. Sentimento que impele a pessoa para o que se lhe pareça bom, belo, digno ou grandioso. 2. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem. 3. Afeição, grande amizade. 4. Caridade, benevolência.

Amorfo [do grego ámorphos] – O que não tem forma determinada.

Amuleto [do latim amuletu] – Objeto normalmente pequeno que se carrega ou guarda, por acreditar possa possuir o poder mágico de afastar desgraças ou malefícios.

Análise [do grego análysis] – 1. Decomposição de um todo em partes constituintes. 2. Exame de cada parte de um todo, para conhecer sua natureza, suas proporções, suas funções, suas relações, etc.. 3. Estudo pormenorizado; exame, crítica.

Análogo [do latim analogu] – O que apresenta semelhança entre fatos ou coisas diferentes.

Anarquia [do grego na + arché] – 1. Falta de chefia ou de governo. 2. Desordem; caos resultante da falta de comando.

Anencéfalo – Feto que, embora considerado sem cérebro, na realidade é portador de um segmento cerebral, sendo que lhe faltam regiões cerebrais que impossibilitarão sua sobrevivência após parto.

Anfiteatro [do grego anphi + theatron] – 1. Meio teatro, teatro de dois lados. 2. Antigo edifício oval ou circular, com arquibancadas, contendo uma arena no centro, para espetáculos públicos, jogos e representações, combates de gladiadores ou de feras. 3. Sala normalmente circular ou semicircular, com palco, estrado ou arquibancadas, para representações teatrais, aulas, conferências, palestras, etc..

Angústia [do latim angustia] – 1. Aflição, sofrimento; estado de grande inquietação. 2. Carência, falta, redução, restrição.

Animismo [do latim anima + -ismo] – 1. Teoria que considera a alma simultaneamente princípio de vida orgânica e psíquica. 2. O que é próprio da alma. 3. Para o entendimento espírita, é relativo aos fenômenos intelectuais e físicos que deixam supor atividade extracorpórea ou à distância do organismo humano, isto é, exercida além dos limites do corpo. Se tem por causalidade o Espírito desencarnado, o fenômeno denomina-se espiritual ou mediúnico; mas, se o Espírito é o próprio encarnado, chama-se anímico. Ver: Personismo.

Anjo [do latim angelus; do grego aggelos], mensageiro – Segundo a Doutrina Espírita, os anjos não são seres aparte e de uma natureza especial. São os Espíritos da primeira ordem, isto é, os que chegaram ao estado de Espíritos puros, depois de terem sofrido todas as provas.
Segundo a ideia vulgar, os anjos são seres intermediários entre o homem e a divindade, por sua natureza e por seu poder; podem manifestar-se, quer por meio de avisos ocultos, quer de maneira visível. Não foram criados perfeitos, pois a perfeição pressupõe a infalibilidade – e alguns dentre eles ter-se-iam revoltado contra Deus. Diz-se: bons anjos, anjos maus, o anjo das trevas. Entretanto a ideia mais geral ligada a este vocábulo é a da bondade e da suprema virtude. Segundo a doutrina espírita, os anjos não são seres à parte, de uma natureza especial: são Espíritos de primeira ordem, isto é, aqueles que chegaram ao estado de puros Espíritos, depois de terem passado por todas as provas. Nosso mundo não existe de toda a eternidade, e muito antes que fosse formado, alguns Espíritos haviam atingido aquele grau supremo. Então, os homens pensaram que aqueles sempre tinham sido assim.
Nota da Escola de Espiritualidade Espirito Infinito: existem serem que nunca encarnaram como seres humanos, nem neste planeta nem em nenhum outro. Chamam-se a esses seres por exemplo “Anjos Primordiais.” Mas certos autores avançam com outros nomes como “Tronos” por exemplo.

Anjo-guardião – É o Espírito protetor de uma ordem elevada, encarregado de assistir e proteger indivíduos ou coletividades. Ver: Protetor, Guia.

Ansiedade [do latim anxietate] – Emoção caracterizada por sentimento de antecipação de perigo, tensão e aflição, por excitação do sistema nervoso simpático.

Antigo Testamento – Coletânea de livros anteriores a Cristo, considerados sagrados. O mesmo que Velho Testamento. Ver: Testamento.

Antipatia [do grego antipatheia, pelo latim antipathia] – 1. Aversão, repugnância instintiva e espontânea. 2. Sentimento de antagonismo, quando dois ou mais Espíritos vibram em desarmonia.

Antítese [do grego antíthesis, pelo latim antithese] – 1. Figura de linguagem pela qual se salienta a oposição entre duas palavras ou idéias. 2. Qualquer oposição flagrante. 3. O ser ou coisa que representa essa oposição; oposto.

Antologia [do grego anthología] – 1. Estudo das flores. 2. Coleção de trabalhos em prosa e/ou verso.

Antropologia [do grego ánthropos + lógos] – 1. Estudo do homem como espécie animal. 2. Tratado da economia moral do ser humano. Mais informações https://pt.wikipedia.org/wiki/Antropologia

Antropomorfismo [do grego anthropómorphos] – Tendência para conceber as forças naturais ou os seres extracorpóreos de forma humanizada, não só como dotados de sentimentos humanos, mas à semelhança do modelo humano. Por exemplo, conceber Deus com forma e atributos humanos.

Anuência [do latim annuentia] – Ato ou efeito de anuir; consentimento, concordância, aprovação.

Anuir [do latim annuere] – Consentir; concordar; aprovar.

Aparição [do latim apparitione] – 1. Fantasma. 2. Fenómeno pelo qual os seres do mundo incorpóreo se manifestam visíveis ao homem.
Fenómeno pelo qual os seres do mundo incorpóreo se tornam visíveis. Tipos de aparação:
Aparição etérea ou vaporosa – a que é impalpável e insustentável, pois não oferece resistência ao tacto;
Aparição tangível ou estereolítica – a que é palpável e apresenta a consistência dos corpos sólidos.
A aparição difere da visão pelo fato de ocorrer em estado de vigília, afetando os órgãos visuais, quando o homem tem plena consciência de suas relações com o mundo exterior. A visão se dá no estado de sono ou de êxtase; também ocorre em vigília, por efeito da segunda vista. A aparição nos chega pelos olhos do corpo; produz-se no próprio lugar onde nos encontramos. A visão tem por objeto coisas ausentes ou afastadas, percebidas pela alma no estado de emancipação e quando as faculdades sensitivas se acham mais ou menos suspensas. (Vide Lucidez e Clarividência).
Nota da Escola de Espiritualidade Espirito Infinito: é o chakra da terceira visão o responsável pela “dupla vista”.

Apascentar [do latim apascent(e) + -ar] – 1. Levar ao pasto; pastorear. 2. Ensinar, guiar, doutrinar.

Apêndice prateado – O mesmo que cordão fluídico.

Apiropatia [do grego ápyros + patheia] – 1. Capacidade de não se alterar com o fogo. 2. Insensível ao fogo. 3. Incombustível, infusível.

Apócrifo [do grego apókryphos, do latim apocryphu] – 1. Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja entre as escrituras por ela consideradas autênticas e divinamente inspiradas. 2. Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.

Apogeu [do grego apógeion] – O mais alto grau, o auge.

Apólogo [do grego apólogos, do latim apologu] – Alegoria de conteúdo moral, em que figuram, falando, animais ou coisas inanimadas; fábulas.

Apometria [do grego apo + metr(on) + -ia] – Termo usado para designar o tratamento espiritual promovido a partir do desdobramento ou bilocação do paciente. É considerada uma técnica anímica, sem relação com mediunismo, e que nada tem a ver com o Espiritismo.

Apoplexia [do grego apoplexía] – Patologia em que ocorre perda inesperada dos sentidos e do movimento.

Aporte(s) [do inglês apport] – 1. Para a Parapsicologia, designa o fenômeno de introdução de objetos em locais fechados ou em móveis fechados, pela ação da mente sobre a matéria. 2. Para a ciência espírita pode se constituir numa variação da manifestação de vampirismo como fenômeno mediúnico de efeito físico agregado.

Apóstolo [ do grego apóstolos, pelo latim apostolu] – 1. Cada dos doze discípulos de Jesus. 2. Propagador de qualquer idéia ou doutrina.3. Aquele que doutrina, que evangeliza.

Aprendizagem [do latim apprehendere, por síncope] – Mudança de comportamento relativamente duradoura, ocasionada por experiência.

Aprisco [do latim appressicare < appresu] – 1. Curral, covil, redil, toca. 2. Por extensão, o lar.

Aptidão [do latim aptitudine] – Talento; habilidade; capacidade; vocação; disposição natural para alguma coisa.

Arcanjo [do latim archangelu] – 1. Anjo de ordem superior. 2. O Espiritismo não adota essa escala hierárquica dos seres angelicais da teologia tradicional.
O vocábulo anjo tem sentido genérico, aplicado a todos os puros Espíritos. Se se admitirem para eles diversos graus de elevação, podem ser designados pelos nomes de arcanjos e serafins, para se utilizarem termos conhecidos.

Ardósia [do francês ardoise] – Lousa; lâmina de pedra enquadrada em madeira, para nela se escrever ou desenhar com ponteiros da mesma pedra.

Argumento [do latim argumentu] – Todo raciocínio esboçado ou desenvolvido, que tende a provar ou a refutar uma outra proposição.

Aristocracia [do grego aristokratía] – 1. Espécie de organização político-social monopolizada por uma classe dominante, via de regra por herança. 2. Casta, nata. 3. Grupo de pessoas com distinção intelectual e moral, em vista das condições espirituais consideradas superiores.

Arte [do latim arte] – 1. Capacidade de o homem pôr em prática uma idéia, valendo-se da faculdade de dominar a matéria. 2. Prática que pressupõe a criação de sensações ou de estados de espírito, geralmente de caráter estético, em que se processa a transferência de impressões e emoções.

Artífice [do latim artifice] – A pessoa que exerce uma profissão ou arte manual; operário; inventor; criador.

Arvorar [do italiano arborare] – 1. Elevar; erguer; pôr ao alto. 2. Fazer ascender a um cargo.

Ascese [do grego áskesis] – 1. Exercício prático que leva à realização da virtude, à plenitude da vida moral. 2. Caminho para a plenitude espiritual, roteiro do progresso do Espírito.

Asceta [do grego asketes] – Pessoa que se consagra à ascese.

Ascético [do grego asketikós] – 1. Relativo a ascetas ou ao ascetismo. 2. Devoto, místico; contemplativo.

Ascetismo – [do grego áskesis + -ismo] Doutrina que considera o exercício da ascese como o essencial da vida moral.

Atavismo [do latim atavu + -ismo] – 1. Reaparecimento, em um descendente, de um caráter não existente em seus ascendentes imediatos, mas sim em remotos. 2. Hereditariedade.

Ateísmo [do grego atheos + -ismo; atheos, composto de a, privativo e theos, Deus, isto é, sem Deus; que não crê em Deus. ] – Doutrina de negação absoluta da divindade. Todo aquele que crê na existência de um ser supremo, quaisquer que sejam os atributos que lhe suponha e o culto que lhe renda, não é ateu.
Toda religião repousa necessariamente · sobre a crença numa divindade. Essa crença pode ser mais ou menos esclarecida, mais ou menos conforme à verdade. Mas não teria senso uma religião ateísta. O ateísmo absoluto tem poucos prosélitos, porque o sentimento da divindade existe no coração do homem, mesmo na ausência de qualquer ensinamento. O ateísmo e o espiritismo são incompatíveis.

Ateísta [do grego atheos + -ista] – Aquele que não crê em Deus, o mesmo que Ateu.

Atenção [do latim attentione] – 1. Aplicação cuidadosa da mente a alguma coisa; concentração, reflexão. 2. Demonstração de consideração, amabilidade, cortesia, urbanidade ou devoção a ou para com alguém, através de atos ou de palavras. 3. Serve para advertir, recomendar cuidado, impor silêncio, etc..

Atentar [do latim attentare] – 1. Observar; reparar; notar; ponderar. 2. Cometer atentado.

Ateu [do grego atheos] – Aquele que pratica o ateísmo e não crê em Deus. Ver: Ateísta.

Atitude [do latim attitudine, do francês attitude] – Termo que designa a maneira de ser e de se comportar de um indivíduo, perante um dado fenômeno ou uma dada circunstância.

Atolar [do latim tullu] – Afundar no lodo, em terreno lamacento.

Atributo [do latim attributu] – Qualidade; condição; o que é próprio ou particular a um ser. Qualidade de um ser, aquilo que lhe é próprio.

Áulico [do grego aulikós, pelo latim aulicu] – 1. Relativo ou pertencente à aula. 2. Próprio de cortesão, palaciano.

Aura [do latim aura] – Emanação fluídica do corpo humano e dos demais corpos.

Auragrafia – Processo de fotografia da aura pelo método Kirlian. O casal Simyon e Valentina Kirlian, na Rússia, fotografou a aura dos seres vivos, usando máquina fotográfica aperfeiçoada para tal, com técnica própria, utilizando corrente de alta freqüência.

Auréola [do latim aureola] – 1. Círculo brilhante e dourado que rodeia a cabeça de Cristo e dos santos nas imagens sacras. 2. Qualquer círculo luminoso que rodeia um objeto. 3. Brilho ou esplendor moral, prestígio, glória, halo, nimbo.

Autismo [do latim actu + ismo] Fenômeno patológico caracterizado pelo desligamento da realidade exterior e criação mental de um mundo autônomo.

Autopasse [do grego e do latim respectivamente: autós + passare] – Passe aplicado em si mesmo.

Aviltar [do latim a + vilitare] – 1 Tornar vil, desprezível. 2. Desonrar, humilhar, rebaixar.

Axioma [do latim axioma] – Premissa evidente por si mesma, que não necessita de demonstração. Princípio evidente que é aceito como universalmente verdadeiro, sem exigência de demonstração.

Azáfama [do árabe az-sah(a)ma] – 1. Pressa; urgência. 2. Muito trabalho. 3. Balbúrdia, agitação.

Dicionário de Espiritismo – Letra A 

escola-decor