Dicionário de Espiritismo-R

Letra R

Dicionário de Espiritismo-R

Dicionário de Espiritismo Letra R

Dicionário de Espiritismo

Dicionário Espírita, vocabulário espírita, kardecista

Dicionário Espírita

Radiação [do latim radiatione] – 1. Ato ou efeito de radiar. 2. Qualquer dos processos físicos de emissão e propagação de energia.

Radiar [do latim radiare] – 1. Fazer brilhar, irradiar.2. Emitir ondas e energia calorífica, luminosa ou, de modo geral, eletromagnética. 3. Transmitir ondas mentais ou fluidos terapêuticos a um paciente próximo ou distante.

Rape(s) [do inglês rapping > rap] – 1. Golpe seco, batida rápida. 2. Pancadas, batidas feitas por Espírito desencarnado para chamar a atenção ou tentar comunicação com encarnado.

Razão [do latim ratione] – 1. Faculdade que tem o ser humano de avaliar, julgar, ponderar idéias; raciocínio, juízo. 2. Faculdade que tem o homem de estabelecer relações lógicas, de conhecer, de compreender, de raciocinar; inteligência. 3. A lei moral; o direito natural; a justiça. 4. Sistema de princípios “a priore”, cuja verdade não depende da experiência.

Realidade [do latim reale + -idade] – O que é real, existe efetivamente aos sentidos do homem.

Receitista [do latim recepta + -ista]- Médium que recebe ou avia receitas de Espírito especializado na área médica, normalmente por via psicográfica ou psicofônica. Não sendo formado em Medicina, o médium precisa se precaver e contar com o acompanhamento de médico encarnado, para não transgredir dispositivo do Código Penal Brasileiro e sofrer suas sanções. Sem essa precaução, a prática dessa faculdade mediúnica nas sociedades espíritas não vem sendo recomendada.

Reencarnação [do latim re + incarnatione] – 1. Retorno do Espírito à vida corpórea, em um novo corpo especialmente formado para ele. É progressiva ou estacionária, nunca é retrógrada. 2. Uma das personalidades do Espírito dentro da pluralidade das suas existências. Ver: palingenesia e metempsicose.

Reforma íntima – É mudança comportamental, substituindo a indiferença, os maus hábitos e as atitudes negativas, pelas virtudes, conforme às leis morais cristãs; ou seja, o esforço permanente da pessoa para se renovar moralmente e dominar as más inclinações.

Registro(s) akásico(s) – Os registros na Espiritualidade das ações executadas em uma ou mais de uma encarnação de um Espírito. Ver: ficha cármica.

Regressão de memória – Técnica de indução, geralmente hipnótica, que possibilita ao paciente recordar-se de vivências passadas, inclusive outras reencarnações. Recurso psicoterápico que precisa ser praticado por especialista e não deve ser integrado às práticas das casas espíritas, pois a única vinculação que possui com o Espiritismo é ensejar mais uma comprovação da sobrevivência do Espírito e da sucessividade das reencarnações.

Religião [do latim re + ligare] – 1. Conjunto de ideologia, ética e ritual, estabelecido nas relações que une o homem a Deus, englobando os deveres que daí dimanam. 2. O Espiritismo é considerado uma religião filosófica, pelas suas conseqüências morais, sendo de foro íntimo, sem ritualismo ou quaisquer outras características das religiões tradicionais. Na Revista Espírita de dezembro de 1868, Allan Kardec afirma ser o Espiritismo uma religião, mas num conceito diferente do então tradicional, pois que uma religião filosófica, como doutrina que fundamenta os laços de fraternidade e de comunhão sobre as bases sólidas das leis naturais. No entanto, é bem claro ao salientar que “o Espiritismo não é religião no sentido de culto, de práticas exteriores”. Por isso o cuidado que o Codificador teve ao usar a palavra “religião”, porque expressava duas idéias diferentes. “Se o Espiritismo se dissesse uma religião, desde o início, o público, em vista da acepção tradicional do vocábulo, só veria nele uma nova edição, uma variante, por assim dizer, dos princípios absolutos em matéria de fé, uma casta sacerdotal com seu cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios. Não possuindo nenhum dos caracteres de uma religião na acepção usual da palavra, o Espiritismo não poderia, nem deveria, ornar-se com o título sobre o valor do qual, inevitavelmente, se estabeleceria a incompreensão.” Eis porque ele se diz simplesmente: doutrina filosófica, científica e moral ( religiosa). No tempo de Kardec ainda era necessário evitar a palavra religião; hoje, no entanto, a definição filosófica superou as confusões anteriormente reinantes.

Revelação [do latim revelatione] – 1. Dar a conhecer coisas ocultas. 2. Tirar o véu, mostrar, descobrir, clarear. 3. Doutrina religiosa revelada, por oposição a que se chega pela razão apenas.

Rito [do latim ritu] – 1. Qualquer cerimônia de caráter sacro ou simbólico que segue preceitos estabelecidos. 2. As normas do ritual. 3. O Espiritismo, por ser religião filosófico-científica, de foro íntimo, não estabelece rito, não tem ritual como as religiões tradicionais.

Ritual [do latim rituale] – Conjunto de práticas consagradas pelo uso e/ou por normas, e que devem ser observadas de forma invariável em ocasiões determinadas.

Roustainguismo [do francês Roustaing + -ismo] – Corrente de idéias embasada na obra “Os Quatro Evangelhos”, de Jean Baptiste Roustaing, advogado francês contemporâneo de Allan Kardec. Tal obra foi criticada pelo codificador da Doutrina Espírita, mas é aceita por alguns espíritas, ainda que a maioria lhe seja indiferente e alguns outros lhe rejeitem.

escola-decor