Dicionário de Umbanda-G

Letra G

Dicionário de Umbanda  letra G

Dicionário de Umbanda letra G

Dicionário de Umbanda e Iorubá (Yorubá)

Dicionário de Umbanda, termos umbandistas, vocabulário umbanda

Dicionário de Umbanda

Fonte principal: “Dicionário de Umbanda”. Altair Pinto. Editora Eco.

G

GA (Iorubá) — alto.

GADIÊ — Amuleto que é muito empregado no tratamento das mais diversas moléstias, no mais das vezes, com ótimos resultados.

GALO — Ave que é muito utilizada em sacrifícios e trabalhos de terreiros, tanto de magia branca como de magia negra.

GANGA — Chefe de terreiro de Cabinda, ou seja, na Linha das Almas. Este termo também   designa Feiticeiro e Grande Sacerdote.

GÁNGAN (Iorubá) — tambor.

GANGA-ZUMBÁ — Jesus entre os negros da Cabinda.

GANZA — Ritual da circuncisão feita por diversas tribos africanas.

GANZÁ — Instrumento musical religioso.

GARRAFADA — Remédio preparado por curandeiro o qual consiste numa maceração de vegetais em aguardente. Muito raramente entram na sua preparação quaisquer ingredientes que não sejam puramente vegetais.

GBÁ (Iorubá) — receber

GBÉRO (Iorubá) — levantar-se

GBE (Iorubá) — seco, magro

GBO (Iorubá) — ouvir

GBÓN (Iorubá) — sabido, hábil

 (Iorubá) — cortar.

GENGIBRE — Raiz utilizada como condimento em certas bebidas da preferência de alguns Guias.

GÊNIO — Espírito bom ou mau que preside os vícios, a virtude ou algum fenômeno extra-normal.

GEÓCIA — Magia negra. Necromancia. Apelo às forças infernais para a prática do mal.

GINJA-ZAMBE — Sacerdotisa de Deus. Babá de Orixá.

GIRA — Corrente espiritual. Rua. Caminho.

GITATI   —   Objeto   individual   dotado   de   poderosa   força mágico-protetora.

GLÂNDULA PINEAL — Essa glândula possui a particular propriedade de agir como transformador da mediunidade.

GLÊ — Guardião dos lares. Entidade benfazeja que possui o poder de guardar e proteger os lares, bem como os seus habitantes.

GNAMA — Fluido nocivo. Energia malfazeja emanada de potências ocultas, produzindo, em conseqüência, a doença e a morte a quem toca em certos animais, vegetais, pessoas e minerais.

GNOMOS — Pequenos seres (homúnculos) habitantes da Terra, mas que nunca encarnaram, guardadores dos tesouros nela ocultos e jazidas preciosas. São prestimosos, atendendo aos que buscam a sua proteção mediante certo ritual apropriado.

GONEKA — Fluido que é destinado a prejudicar à distância.

GONGÁ (CONGÁ, ALTAR)— Local onde são realizadas as sessões de Umbanda. Mamãe Gongá é também o nome de um protetor de grande iluminação que somente pratica o bem a todos que recorrem à sua proteção.

altar na umbanda

Gongá, Congá ou Altar Sagrado

GONGORO — Planta africana utilizada em trabalhos em virtude das suas grandes propriedades mágicas.

GOTEIRA — Assim é chamado o frequentador de sessões espíritas que não tem voz suficiente para cantar os pontos.

GRANDE OPERAÇÃO — Na alta magia a grande operação consiste não somente em evocar as forças superiores do Astral, mas também em comandá-las, dominá-las e delas se servir com a finalidade de obter resultados positivos em benefício de alguém ou da coletividade.

GRIMORIO — Livro de conjurações de sinais protetores com a ajuda do qual o mago pede auxílio às entidades ou mesmo suas materializações.

GROGOTÓ — Termo que significa estar tudo perdido, não havendo mais a menor esperança para coisa alguma.

GRONGA — Aguardente diluída em água doce com limão. Garrafada com diversas ervas e gengibre, que é oferecida aos assistentes presentes ao terreiro como sinal de saudação e de boas vindas.

GRONGUEIRO — Mistificador que se diz médium.

GU — Amuleto protetor dos ferreiros, o qual representa a força e sendo a terça-feira o seu dia consagrado.

GUACARARAÍBA — Louro. Planta muito utilizada como condimento no preparo de certos alimentos e também em banhos e defumações pelas suas grandes virtudes mágicas.

GUARACAPÃ — Escudo. Emblema. Ponto riscado. GUARACI — Espírito solar. Sol.

GUARA-MIN-FÔ — Grito de guerra de Ogum. GUARUJU — Planta utilizada em banhos e defumações.

GUAÚ — Dança cantada. Dirigente de cerimônias.

GUGA — Breve ou patuá empregado em certos trabalhos de magia negra. Veneno preparado com certos vegetais e pêlos de bambu.

GUIAS PROTETORES — Os guias espirituais são aqueles que acompanham e orientam os médiuns nos seus trabalhos. O médium trabalha durante muitos anos com um determinado “Guia” e, de uma hora para outra, esse “Guia” avisa que abandonará aquele “aparelho”, pois que atingiu um determinado grau de elevação espiritual e não voltará mais à terra. Entretanto, o que aconteceu foi o seguinte: esse Guia recebeu a incumbência de doutrinar um novo médium, neste ou noutro planeta, isto é, teve necessidade de prestar em outro lugar a sua cooperação ou caridade, a fim de se elevar espiritualmente. Com o afastamento dessa entidade, outro espírito passará a influenciar aquele aparelho, embora não haja mais necessidade de doutriná-lo ou domesticá-lo, porque o terreno já estava preparado. Esse é um dos inúmeros casos que acontecem na vida de milhares de médiuns que trabalham no espiritismo. Todavia, é muito comum um médium trabalhar toda a sua vida sem mudar de Guia.

proteção espiritual

Guias Protetores

GUN (Iorubá) — comprido.

GÚN (Iorubá) — bater.

GUNA — Forquilha em cima de uma lage, com velas, muito usada em certos terreiros do Nordeste.

GUNGUM — Objetos usados em trabalhos de Umbanda e Quimbanda. São eles: Espada-de-São Jorge. Pedras de raio. Estrela do mar, figas, flechas e muitos outros.

GURU    Espírito elevado. Orientador. Guia Espiritual.