Dicionário de Umbanda-K

Letra K

Dicionário de Umbanda Letra K

Dicionário de Umbanda Letra K

Dicionário de Umbanda e Iorubá (Yorubá)

Dicionário de Umbanda, termos umbandistas, vocabulário umbanda

Dicionário de Umbanda

K

(Iorubá) — contar, ler.

KABANDULULA — Significa pedido de amparo, de socorro.

KÁBIYÈSÍ – Cumprimento de respeito a um rei (oba).

KÁBÍYÈSÌLÈ – Expressão de respeito a um chefe ou mais velho.

KÀDÁRÀ – Destino.

KAGÓ (Iorubá) — pedir licença para entrar.

KAJÚ (Iorubá) — caju.

KÁLÁMU (Iorubá) — pena.

KALÈ (Iorubá) — sentar-se.

KALUKU – Cada.

KAIGNETAZU — Variedade de flauta usada por certas tribos indígenas.

KAKOKO — Mocho. Coruja.

KAMIAM — Guia protetor das crianças e das parturientes.

KAMON — É o nome de um longo e muito complicado cerimonial no qual a menina passa a ser moça, tendo em vista o aparecimento da primeira menstruação. Essa cerimônia é uma verdadeira iniciação da puberdade feminina.

KAMUANO NINDÉ — Entre os índios é a idade dos que já se podem transformar em guerreiros. É um acontecimento muito festejado com grandes cerimoniais indígenas.

KAN – Um, uma.

KANÁ – Estar em chamas.

KÃNÚ (Iorubá) — sentir.

KANZUÁ (CANZOÁ ou CANZUÁ) – Vem do Kimbundo e significa literalmente cabana (cabaninha). No Brasil quer dizer Terreiro, salão, onde são realizadas as cerimônias, rituais afro-brasileiros, esta denominação é geralmente utilizada em terreiros bantos.

KÃRÒ (Iorubá) — bom dia.

KAROTI – Cenoura.

KAÓ (Iorubá) — Salve! Viva! Saudação de Xangô.

KARDECISMO — Um dos pontos básicos em que se fundamentam todas as teorias espiritualistas. Ao ser criado, na França, o Espiritismo de Kardec, nada mais se fez do que dar-se nova modalidade ao culto da Umbanda, ou seja, continuar-se através dos séculos, a obrigatoriedade de seguir-se a ordem divina, que assim foi expressa TURIM EVEL, TUMIM UMBANDA, DARMOS, que quer dizer o seguinte: Baixou sobre a face da Terra a LUZ DA UMBANDA.

Por que razão se digladiam mutuamente KARDECISTAS, UMBANDISTAS, quando na realidade se deveriam dar as mãos e caminhar como verdadeiros irmãos, procurando a LUZ que está diante dos nossos olhos, bastando para vê-la, apenas encarar com sentimento e amor todas as manifestações espirituais que nos vem de cima, isto é, do próprio Deus

O mundo atual precisa de homens que, em vez de Bombas Atômicas, dirijam cânticos e preces ao Deus Todo Poderoso, para que a Humanidade não se afunde no caos da ignomínia e do desespero. Façamos do nosso livre arbítrio uma força poderosa de amor ao próximo, mas nunca uma arma de ataque e de devastação. Procuremos evoluir material e espiritualmente, pois assim estamos certos de que a nossa condição humana se tornará cem por cento proveitosa. Avancemos pelo mundo procurando construir em vez de destruir. Aproveitemos os ensinamentos que nos são ministrados pelos Guias Espirituais, e podemos estar certos de que, tanto os Espíritos de Luz do Kardecismo, como os Pretos-Velhos e Caboclos da Umbanda, e os Orixás da Quimbanda, nada mais são do que os verdadeiros missionários da fé.

Todos os fenômenos que surgem atualmente na terra, têm a sua razão de ser. É por isso que devemos estudar com o devido carinho todas as manifestações espirituais, pois só assim chegaremos a um ponto no qual não encontraremos mais dúvidas quanto ao aperfeiçoamento do homem, que foi idealizado e criado à imagem de Deus. KARMA — É a conseqüência de vidas passadas, as quais dirigem a presente e organizam as futuras e, para melhorar a presente e as futuras, é indispensável que o indivíduo se desembarace e liberte dos resíduos das vidas anteriores, limpando o seu Karma e evitando olhar a humanidade de acordo com as suas necessidades pessoais, elevando seus olhos um pouco mais alto que a verticalidade humana.

KÁRÉ (Iorubá) — pequeno.

KÁRÙN – Ficar doente.

KÁSÌKAN (Iorubá) — que há, que é que há?

KASSUTÉ — Divindade africana.

KATENDE — Divindade dos povos africanos que representa o tempo e a sua ação. É também o nome por que é chamado São Francisco entre os mesmos povos.

KAURIS — Búzios, utilizados no jogo do delogum; outrora chamado dinheiro na África.

KÁWÉ (Iorubá) — ler.

KÁWÓ – Saudação, aclamação.

— Em linguagem nagô significa o fogo.

(Iorubá) — gritar, cortar.

KEBIOSO — Xangô. Ave que vomita fogo.

KEDERE – Clarear, esclarecer.

KÉHÌNDÉ – O segundo gémeo a nascer.

KÉKERÉ – Pequeno, pouco.

KELÊ – Colar de contas com as cores do orixá.

KELEKONGBO — Gênio da floresta.

KÉRÉ – Ser pequeno, menor.

KERPIMANHA — Deusa dos sonhos.

KÉTÉHÉTÉ – Burro.

KEVIOSSÔ – Xangô [angola].

KÍ – Saudar.

KIBANDA — No termo Kibanda,  foi suprimido o “m” da palavra KIM (demônio), ao juntar-se a palavra BANDA (lado), pelo fato da má interpretação dada pelos nossos aborígenes ou índios que, nada conhecendo dos dialetos africanos, sentiam dificuldade em pronunciá-la, devido à sua linguagem dialética, emitida por simples sons guturais.

Aproveitando apenas a segunda parte do nome AM-BERÊ- KIBANDA, isto é, o nome KIBANDA, foi este deturpado para QUIMBANDA, com que procuravam apenas desenvolver o ritual na prática única e exclusiva da maldade, dando origem ao que atualmente é conhecido também com o nome de MAGIA NEGRA.

Surgiu desta forma uma nova religião no Brasil, na qual os seus praticantes, na maioria composta de elementos incultos e maus, procuraram criar em torno dessa nova seita um mito de que as suas práticas eram dedicadas exclusivamente à evocação das falanges de Exus, entidades essas dirigidas pelo Agente Mágico Universal (Demônio ou Satanás).

Mas o tempo foi passando e o homem branco, procurando imiscuir-se com os negros, mas dotado de maior capacidade e cultura, aproveita grande parte dos rituais praticados nos Candomblés, nos Cangerês e mesmo na Quimbanda; e, com o advento da Lei Áurea busca melhores desígnios nessas crenças concebendo o que hoje, erroneamente, conhecemos com o nome de Umbanda, na qual. alguns escritores querem fazer crer ser também originária dos povos africanos.

É preciso, entretanto, que se separe o joio do trigo, pois surgirá no futuro uma nova religião, a qual, baseada verdadeiramente nos princípios e ensinamentos do Mestre, e mesmo dedicando-se ao culto das evoluções com o mundo astral superior, terá a denominação de ESPIRITUALISMO. Essa, sim, será a verdadeira Umbanda que Jesus Cristo praticou na Terra, e a única que permanecerá sobre a face da terra, de vez que todas as demais religiões desaparecerão, ou se fundirão nela.

(Iorubá) — saudar.

KIBUNGO — Espírito do mal.

KIKO – Maduro.

KÍKORÒ – Amargo.

KÍKÚN – Mortal.

KILI — Planta africana empregada como forte amuleto protetor.

KILUNDU — Espírito altamente maléfico que se apossa das mulheres em estado de gravidez.

KIMBANDA — KIA — KUSUKA — Curandeiro. V. Kibanda.

KINIUN – Leão.

KIRUME — Praga. Maldição.

KISSANGAEuá [angola].

KISSIMÊ — Um dos nomes com que é designado Oxum entre os negros de Angola.

KISSIUM — Reza. Prece. Oração entre os negros africanos.

KISUTU — Bode, que é o animal muito empregado nos trabalhos obscenos de magia negra.

KITABA — Ciência da escrita mágica, ou melhor, o conjunto dos ensinamentos dos negros muçulmanos sobre o uso escrito das palavras mágicas.

KITANGONA — É uma das partes do ritual dos negros Kamba, quando são oferecidos alimentos e bebidas aos espíritos dos desencarnados.

KIUMBA — Espírito maléfico e obsessor Espírito muito atrasado e sem nenhuma luz.

(Iorubá) — encontrar. Cantar.

(Iorubá) — aprender, ensinar.

KÒ DÁRA – Ruim.

KÒKÓ (Iorubá) — coco.

KÓJO – Juntar.

KOLÉ (Iorubá) — Amuleto muito usado pelos escravos

KOLOBÓ — Um dos Exus.

KORIN (Iorubá) — cantar.

KOROKOMBO — Gênio da Floresta entre algumas tribos africanas. KOSI — Filha-de-Santo. Médium feminino. Sacerdotisa do culto vodu.

KÓKÓRÓ – Chave; sagrado para o mensageiro Exu (Èsú).

KÒLA – Noz de cola amarga. Sagrada para a maioria dos Orixás.

KORIN – Canto.

KÓRIRA – Odiar.

KORÓFél.

KÒSENI – Nada.

KÓSILE – Desertar, abandonar.

KÒWÉ (Iorubá)— escrever.

KPO – Leopardo.

(Iorubá)— morrer.

KUDRAT — É considerada, entre os muçulmanos, a grande Força Ativa, a quem se deve a criação de todas as coisas, sejam boas ou más.

KUFUA — Morrer. Desencarnar

KUFUKUMUNA — Reencarnar. Ressuscitar.

KUGBO — Amuleto que é feito de uma bola de terra misturada com cinzas de diversas árvores sagradas, sendo tudo superposto no chifre de um animal e, assim, mediante o devido ritual, determina as mais diversas moléstias.

KUIN-IGNON — Pessoas que cultivam o espiritismo e que praticam somente o bem, tanto desfazendo trabalhos e malefícios, como curando doenças.

KUJIMA — Acabar. Extinguir. Terminar.

KUNIMINA — Trovoada.

KUNLE – Ajoelhar no chão como um gesto de respeito, tanto para um local sagrado como para uma pessoa mais velha.

KUNRIN – Cantar.

KUNUA — Bebida usada nos trabalhos de terreiro.

KURUMU – Redondo.

KÚRÚRÚ – Pequeno, baixo.

KUSSÊ – Deus da terra.