Dicionário de Umbanda-O

Letra O

Dicionário de Umbanda Letra O

Dicionário de Umbanda Letra O

Dicionário de Umbanda

Dicionário de Umbanda, termos umbandistas, vocabulário umbanda

Dicionário de Umbanda

O

OBÁ — Significa Rei. Também, de acordo com a tradição nagô, é um dos Orixás femininos de Xangô. Deus dos rios pertencente à falange de Oxum.

OBAG-MANGBÁ — Assim são denominados os Ministros de Xangô, que são em número de doze, desfrutando de grande prestígio sobre os Filhos-de-Santo de Xangô.

OBALUAIÊ — É o Orixá da varíola. Omulu. Xapanã. São Lázaro. São Roque. São Braz.

OBALUFÁ — É o nome de um dos Orixás iorubanos.

OBÁ OGÓ — Rei da Glória.

OBASSABÁ — Significa abençoar, benzer.

OBASSALÉA — O mesmo que obassabá, isto é, abençoar, benzer.

OBATALÁ — Céu. Abóbada celeste. Deus.

OBE — Espada de Xangô. Faca.

OBI — Produto vegetal para cerimônias religiosas. Noz-de-cola.

OBI-AM — Na religião iorubana quer dizer a esposa de Obatalá.

OBI-OROBÔ — Comida de grande preferência. Aroá.

OBIRI — Mulher.

OBLATA — Dádiva. Oferecimento. Presentes constituídos por objetos ou dinheiro e que São feitos para as igrejas ou centros espirituais com o fim de caridade.

OBO — Milho cozido sem sal.

OBOLIBURUM — Pedra de Xangô ou Pedra do raio. Meteorito.

OBREIA — Massa de farinha com que são feitas as hóstias usadas na igreja e nos trabalhos de Umbanda.

OBRIGAÇÕES — Festas em homenagem aos Guias ou Orixás. São também as determinações feitas aos médiuns ou consulentes pelos Guias com o objetivo de auxílio ou como parte do ritual do desenvolvimento mediúnico.

OBSEDAR — Perseguir. É o trabalho de correntes atrasadas que leva os perseguidos às mais tremendas situações, inclusive à loucura, sendo essa ação com plena consciência do que fazem ou inconsciência do mal que praticam. Quando se enquadram nesta última hipótese, é que, ignorando a extensão dos seus erros e do mal praticado o fazem por simpatia com a pessoa do obsedado. Deve se ter em conta que o obsessor, quer consciente, quer inconsciente, estende sua maléfica atuação, não somente sobre uma pessoa, mas sobre diversas, atingindo locais e multidões que ficam à sua inteira disposição. Para se livrar dessas perseguições, devem os perseguidos procurar um centro Kardecista ou um terreiro de Umbanda, respeitando tudo quanto for indicado pelos protetores.

OCA — Palhoça. Casa de índio. Agrupamento de ocas que é denominado Taba ou Maloca.

OCABITERA — O mesmo que Terreiro, Quintal.

OCARUSSU — Terreiro.

OCHU-META — Dinheiro que a Filha-de-Santo, ou inicianda, entrega ao Pai-de-Santo que a desenvolve.

OCUM-GIMOUM — O Mar. Iemanjá.

ODARA — Bom, bonito, bem feito.

ODÊ — Pilho de Ogum.

ODÉ — Oxóssi velho. São Jorge.

ODODUA — Terra firme. Deusa do amor entre os nagôs. Vênus.

ODUBALÊ — Significa a saudação entre os Orixás.

OFÃ — Apanhador de ervas sagradas.

OGÃ — Senhor. Chefe. Auxiliar das sessões e protetor de Terreiros. Qualquer pessoa pode ser Ogã, desde que tenha feito jus a esse título com relevantes serviços prestados ao Terreiro, ficando essa escolha condicionada à aprovação do Guia Espiritual do Terreiro.

OGÃ CALOFÉ — É o grau imediatamente superior ao de Ogã de Atabaque   durante o desenvolvimento masculino Em cada período que o médium passa de um grau para outro, maiores responsabilidades lhe cabem na direção e orientação dos trabalhos.

OGÃ DE ATABAQUE — É o grau imediatamente superior ao de Ogã de Terreiro durante o desenvolvimento masculino,

OGÃ DE TERREIRO — É o chefe de Terreiro que tem a responsabilidade material dos trabalhos. É o grau imediatamente superior do de Cambono Calofé durante o desenvolvimento masculino.

OGÃ HONORÍFICO — Título que é concedido a alguém que tenha prestado inestimáveis serviços a um Terreiro, valendo esse título como uma relevante condecoração e recebendo o nome de Ogã de Xangô, Ogã Ogum etc, conforme o Orixá protetor de Terreiro.

OGANGO — É o nome de um dos Orixás nagôs.

OGÁ-OGÓ — Espírito elevado e glorioso.

OGODÔ — Mãe da noite.

OGUM — É a Divindade das Lutas e das Demandas. No culto nagô é São Sebastião, sendo São Jorge nos demais. Entre os Iorubanos da Costa dos Escravos, na África, significa uma força ou poder oculto supranatural e ultra-sensível, que pessoas e objetos podem possuir naturalmente ou por transmissão mediante ritual apropriado.

OGUM DELÊ — Orixá que tem o poder de dominar a Terra.

OGUM-HÊ — Saudação que os médiuns fazem quando, incorporados, trabalham sob as ordens de determinados Guias.

OGUM MEGÊ — Orixá vencedor de demandas e lutas.

OIÁ — Mensageiro. Deusa do rio Niger. Iansã.

OJA — Larga faixa de pano toda bordada com contas, miçangas, búzios e outros enfeites cobrindo os seios ou a cintura da Filha- de-Santo quando mediunizada.

OJÓ — Oração. Súplica. Reza especial de certos quimbandeiros.

OJÔ-KOKORÔ — Inveja. Mau olhado. Despeito. Olho grande.

OKE — Reino de Iansã.

OKÊ — Deus das montanhas entre os nagôs e cujo símbolo é uma pedra. É também a saudação dos Caboclos.

OKÊ BAMBOCRIM — Saudação aos Orixás, principalmente a Oxóssi.

OKÊ-KAN — Vinte mil búzios.

OKÊ-OLORUM — Fique na paz do Senhor.

OKÕ — Alma. Espírito no dialeto dos iorubanos.

ÓLEO DE LIAMBA — É um óleo preparado com maconha e muito empregado em trabalhos nos Catimbós nordestinos.

ÓLEO DE OLIVA — É o azeite doce, muito empregado em trabalhos de Alta Magia, seja puro, perfumado ou com outra qualquer composição.

ÓLEO DE SÉSAMO — É o óleo extraído do Gergelim e que substitui vantajosamente o óleo de amêndoas em trabalhos de Umbanda, por ser um excelente condensador fluídico quando queimado nas lamparinas.

OLHAR O IFÁ — Processo de adivinhação seguido pelo Olhador do Ifá, a fim de responder às consultas que lhes são feitas e dirigidas por consulentes.

OLHAR PARA TRÁS — Não se deve fazer tal coisa, para não tornar sem efeito as vantagens dos trabalhos realizados, ou das obrigações cumpridas. Olhar para trás neutraliza, anula e faz continuar os efeitos do que se queria desfazer. Será como que uma volta ao passado ou a continuação daquilo de que se quer libertar.

OLHO-DE-BOI — Semente de Tucumã, gozando de propriedades protetoras contra cargas fluídicas negativas, feitiços e portadora de fluidos benéficos para o seu portador. É usada com uma infinidade de aplicações nos trabalhos de Terreiro.

OLHO DO SOL — É o círculo traçado no chão, rodando o dedo grande do pé e o calcanhar.

OLHO GRANDE — Mau olhado. Inveja. Malefício. Despeito. Feitiço. Quebranto.

OLOKUM — Orixá do mar. Esposa de Xangô.

OLOROQUE — É um dos orixás iorubanos.

OLORUM — Deus supremo, objetivado no céu. Termo nagô.

OLORUN-DIDÊ — Deus te proteja. Deus esteja contigo.

OLOXÁ — Deusa dos lagos, pertencentes à falange de Oxum.

OMBIASSÊ — Sacerdote. Mágico entre os negros de Madagascar.

OMBRO — Quando um Guia cumprimenta um consulente ou um assistente com o bater do ombro, isto é sinal de igualdade, de fraternidade e grande amizade.

OMOLOCÔ — Culto de origem angolense.

OMULU — Deus da varíola — São Lázaro. Seu fetiche é uma vassoura com búzios, sua comida é pipoca com azeite-de-dendê, seu pegi é fora do terreiro, seus despachos são feitos nas encruzilhadas.

ONDINA — Gênio das águas.

ONIROMANCIA — Interpretação adivinhatória dos sonhos.

OPANIGÉ — Música predileta de Omulu. Dança africana em certos terreiros.

OPA-SUMA — Dança   comemorativa consagrada   ao escravo aprovado no exame para Alufá.

OPELÊ DE IFÁ — Rosário feito de pequenos búzios e que é utilizado para ler o futuro e fazer adivinhações.

ORAÇÃO — É a ligação espiritual entre os encarnados e as Entidades Superiores, seja em benefício de quem a faz ou de outros, quer encarnados ou desencarnados. Súplica a Deus, a Jesus, à Maria Santíssima ou a qualquer Entidade Superior.

ORAÇÃO FORTE — Pedidos escritos que a pessoa suplicante conserva em seu poder, quer guardada no bolso, ou dentro de algum pano pendurado no pescoço, a fim de protegê-la e livrá-la de todos os males e inimigos declarados ou ocultos.

ORAGO — Patrono. Nome da Entidade dado no Terreiro, lugar, templo ou igreja.

ORAMIÃ — Designação de Ogum em certos Terreiros.

OREGÃO — Planta usada em culinária, como tempero, e em banhos, como condensador fluídico.

ÓRFÃO — Na designação de um dos Guias de Umbanda, órfão e toda criatura cujo coração está totalmente vazio dos sentimentos cristãos.

ORI — Talismã. Amuleto contra enfeitiçamentos.

ORIXÁ — Divindade que representa as forças do Universo Infinito. Espirito puro. Santo.

ORIXÁS DE UMBANDA — Considera-se na Umbanda como Orixá, toda e qualquer entidade do Astral Superior que, na qualidade de Guia Espiritual, é evocada nos diversos rituais ou trabalhos nos quais se depositam a fé e os altos destinos dessa seita.

A palavra Orixá tem a sua origem nos dialetos africanos e, por essa razão, criou-se uma concepção toda especial para a designação das entidades que dominam nas manifestações espirituais.

Orixás da Umbanda, divindades

Orixás da Umbanda

Concebe-se na Umbanda a existência de um Deus Supremo, que é considerado segundo a interpretação dada pelas entidades PRETOS-VELHOS, como o GANGA MAIOR, chefe supremo da Corte de Obatalá, cujo filho, Jesus Cristo, é o seu ORIXÁ MAIOR, ou Pai dos Orixás.

Pela divisão da Umbanda em sete Cortes, coube a cada entidade a incumbência de dirigir, como chefe, o seu setor, designando-se esse chefe pelo nome de ORIXÁ, resultando daí a denominação desse termo, dada aos espíritos superiores que dirigem os diversos planos espirituais, sendo esses chamados os ORIXÁS MAIORES, os quais por sua vez contam com o auxílio dos Orixás Menores que são justamente todos os integrantes da Corte de Aruanda.

Qualquer espírito pode chegar a esse grau máximo, desde que redimido totalmente de suas culpas e, tendo passado pelos vários subplanos e planos da escola hierárquica da espiritualidade, chegue ao ponto primordial da perfeição.

Não precisa ser considerado como santo, na interpretação dada pela igreja católica, para um espírito se tornar num Orixá, pois na Lei Espírita não é conhecida essa condição, uma vez que se concebe apenas como espírito de luz, todo aquele que grangeou de Deus a suprema ventura de elevar-se perante o seu conceito, nas condições impostas pelas leis kármicas.

ORÔ — Fantasma. Aparição. Materialização.

OROBÔ — Produto vegetal para cerimônias religiosas africanas, muito usado nos trabalhos de Umbanda.

ORODERE — É o culto espiritualista entre os negros bantos

OROMINHA — É um dos Orixás nagôs, sendo identificado em alguns terreiros como Ogum.

OSSÃE — Divindade das matas e das folhas.

OSSÊ — Cerimônia semanal que consiste na troca de comidas e bebidas dos Orixás e Guias.

OSSONHE — Entidade do mal.

OTIN — Aguardente.

OTÓFU — Espírito de desencarnado.

OUVINTE — Ê uma das modalidades de mediunidade em que o médium transmite aos assistentes o que está ouvindo do espírito que com ele se comunica pela audição.

OXALÁ — Jesus, o maior de todos os Orixás.

OXALÁ, OBATALÁ, ZÂMBI, SENHOR DO BONFIM, OLORUM — (Chefe Supremo da Corte Celestial) — Jesus Cristo, na Lei Católica. Para evocá-lo, usam os praticantes da seita os seguintes fetiches: anel de ouro, chumbo ou prata. Como amalá, oferecem-lhe: carne de cabra e pombos. Vestem-se de branco, usam contas brancas e pulseiras de contas brancas e cor de chumbo. O dia preferido para a sua evocação é às sextas-feiras.

OXALAGUIÃ — Jesus ou Menino Jesus.

OXALUFÃ — Jesus para uns. Deus para outros.

OXÊ — Sacerdote africano. Médium quando incorporado por um espírito de falange de Xangô. Machadinha de Xangô.

OXORI — Guia. Protetor.

OXÓSSI — Orixá das matas e dos caçadores. Fetiche: arco e flecha. Cor: verde e amarelo ou verde e branco. Animais: galo e carneiro. Bebida: cerveja branca. Em certos terreiros é São Jorge (culto nagô), sendo que em outros, principalmente no sul, é São Sebastião.

OXÓSSI, OXÓSSI DAS MATAS — São Sebastião na Lei Católica (Rei e Senhor das florestas, chefe das matas, deus da caça). Tem como fetiche o arco e a flecha. Indumentária: verde. Amalá: bombons, balas e doces. Cor da indumentária: rosa e branco. Cor das contas: várias cores.

OXUM — Sant’Ana. Deusa da água doce. Fetiche: pedra de rios. Comidas: galinha, feijão, cabra.

OXUM-ABALÔ — Oxum incorporado trabalhando com o leque.

OXUM-APARÁ — Oxum incorporado no médium e trabalhando com a espada.

OXUM DA COBRA CORAL — Nossa Senhora da Penha.

OXUMARÉ — Santa Bárbara.