Dicionário de Umbanda-U

Letra U

Dicionário de Umbanda Letra U

Dicionário de Umbanda Letra U

Dicionário de Umbanda

Dicionário de Umbanda, termos umbandistas, vocabulário umbanda

Dicionário de Umbanda

 

U

UANGA — Bruxedo. Feitiço.

UARAMU — Colares usados como enfeites dos índios.

UAXI — Enfermidade. Doença.

UBANA — Terra.

UBIQUIDADE — É como se designa o desdobramento do corpo astral da pessoa, a qual pode ser vista, no mesmo momento, em diferentes lugares, embora bastante afastados uns dos outros.

UIRAPURU — Ave considerada como portadora de felicidade e fortuna, sendo as suas penas usadas como amuletos de grande poder.

UMBANDA — Umbanda é o grande e verdadeiro culto que os espíritos humanos encarnados, na Terra, prestam a Obatalá, por intermédio dos Orixás. Desse culto participam os espíritos elementais e os espíritos humanos desencarnados.

Umbanda -Orixás

Umbanda -Orixás

A principal finalidade do culto de Umbanda, é o serviço às criaturas humanas e espíritos humanos encarnados ou desencarnados, seja por meio da doutrinação ou por meio do auxílio espiritual, nas dificuldades materiais e morais, alívio ou cura de doenças.

Esse culto deve ser prestado com humildade, pureza e disposição à caridade. Humildade, Pureza e Caridade são os três requisitos indispensáveis à prática da Umbanda.

Há quem diga que na Umbanda não deve haver doutrinação, pois que se supõe ser ela exclusivamente kardecista. Não é bem assim. A Umbanda não exclui a doutrinação, que tanto pode ser dada pelo presidente das sessões, como pelos espíritos incorporados nos médiuns.

Na sua essência e na sua finalidade, a Umbanda é idêntica a todas as religiões do passado e do presente. Umbanda reconhece um Ser Supremo, trino na sua manifestação cósmica, as hierarquias de entidades espirituais, o papel que essas hierarquias desempenham no Universo, as suas funções, a evolução dos espíritos.

A Umbanda tem a sua origem africana, pois é um nome de origem quimbandeira que quer dizer o seguinte: Mágico, Curandeiro, Chefe de Terreiro. De conformidade, porém, com a extraordinária definição de um iluminado Guia, é a mais alta expressão da Magia Universal em direção ao caminho da Perfeição e da Sabedoria Divina. Esta definição talvez seja criticada e censurada, entretanto, esperamos que os seus possíveis críticos e censores não confundam Magia com Mágica. Esta definição de Umbanda merece da parte de todos nós, seus aprendizes, uma profunda análise, meditação e um meticuloso estudo, porque já é chegado o momento de não mais se confundir Umbanda com Africanismo, visto nada existir de comum entre ambos, tal como não existe entre habeas-corpus e Corpus Christi; e se alguma coisa de comum existisse, é que, os africanos como todos os povos do mundo, desde épocas imemoriais, praticam a Magia em sua forma evoluída, rudimentar, intuitiva ou por tradição, isto é, de pais para filhos, de povos para povos, de tribos para tribos. Devemos observar também que, muito antes da chegada   das   escravos   ao Brasil, os   índios que aqui se encontravam, quando do descobrimento, já realizavam verdadeiras sessões e trabalhos espírito-mágicos em suas práticas ritualísticas. Estudar as forças extra-terrestres que nos envolvem e às quais estamos submetidos e subordinados, quer queiramos ou não; viver em harmonia com o Universo Infinito como partes integrantes que somos desse Todo Indivisível deve ser o nosso esforço e empenho para que, com os frutos dos nossos estudos e de nossa aprendizagem possamos tirar a máxima eficiência nos trabalhos que viermos a realizar, seja em nosso próprio benefício, seja em benefício de nossos irmãos encarnados ou desencarnados. Esta é, na realidade, a Umbanda que compreendemos e que praticamos, muito diferente daquela tão difundida por aí e que serve de fonte de enriquecimento ilícito de supostos médiuns que vêem no Terreiro nada mais que um balcão comercial, mas nunca um Templo de Fraternidade onde pontificam com sabedoria, espírito de renúncia,   humildade, devotamento e caridade, espíritos de elevada superioridade dos Pretos-Velhos e Caboclos.

A definição do nome de Umbanda é a seguinte: Temos, em linguagem oriental antiga, a palavra UM, que significa Deus, e BANDA, também da mesma origem, que quer dizer agrupamento, legião. A influência do Oriente sobre os povos africanos, foi a causa de que, no Brasil, recebêssemos a Umbanda da África dado a grande massa de africanos que emigraram para o Brasil na época colonial.

Muitos historiadores que se têm ocupado com o estabelecimento da Umbanda no Brasil, afirmam que ela teve início, pode-se dizer, logo após o seu descobrimento, afirmando ainda que, por volta de 1930, já andava por cerca de dois milhões de negros africanos que, dentro dos seus usos e costumes, praticavam os mais estranhos e bárbaros rituais.

Mas, deixando a parte histórica da Umbanda, a qual seria muito longa, devemos aqui apelar para todos os verdadeiros umbandistas que queiram seguir o caminho certo para fazerem o melhor uso que lhes for possível de todos os atributos dos protetores que assistem a todos nós, pois essa colaboração é indispensável, a fim de que, unidos nesse mesmo ideal, possam dar à Umbanda o lugar de respeito que ela tem o direito de esperar de todos nós, isto é, de todos os que estão convocados para trabalhar em grandiosa e fraternal oficina.

Em resumo, a Umbanda é a Caridade. Nada mais.

UMBAÚBA — Pelas altas propriedades que possui, esta planta é muito usada em vários trabalhos, principalmente para combater a obsessão.

UMBRAL — Plano espiritual de sofrimento muito próximo à Terra.

UNAU — Couro de preguiça muito empregado em trabalhos de magia negra, sendo também usado para desfazer os mesmos trabalhos.

UNHA-DE-VACA — Vegetal dotado de propriedades mágico- terapêuticas, utilizado tanto interna como externamente.

UNHAS — As unhas são muito utilizadas pelos quimbandeiros para prejudicar alguma pessoa. É conveniente ao cortá-las, lançá-las longe, queimá-las ou enterrá-las para evitar de cairem em poder de pessoas sem escrúpulos e sem moral. O mesmo deve ser feito com as secreções humanas, bem como com os cabelos, roupas, e outros objetos de uso pessoal. Isto porque, possuindo vibração do indivíduo visado e como a parte representa o todo, a vítima torna-se um infeliz joguete nas mãos desses doentes espirituais.

UNICORNE — Ave que possui um chifre na cabeça e dois esporões nas asas. É muito utilizado em trabalhos de Umbanda, dadas as suas grandes virtudes mágicas.

UNKULUKULU — É o nome dado pelos zulus aos seus guias espirituais, não lhes rendendo nenhum culto.

UOMA — Medo. Temor. Receio.

URATASSIÚ — Vegetal usado em certos trabalhos, dado as suas altas virtudes mágicas, inclusive como afastador de fluidos perturbadores e nocivos. É um vegetal também muito usado em defumações e banhos.

URIM — Amuleto muito usado pelos sacerdotes israelitas que os utilizam nas suas consultas.

URUBU — Ave preta muito conhecida e que apenas se alimenta de carnes em decomposição. O urubu é tido como símbolo da desgraça, sendo muito utilizado pelos quimbandeiros nos seus trabalhos para o mal.

URUCAÁ — Tornozeleiras confeccionadas de pequenas cabaças e com sementes por dentro, sendo muito usadas para o ritmo das danças de terreiro.

URUCAÍ — Reza. Oração. Prece.

URUMILÁ — Entidade benfazeja que vela e protege o espírito enquanto a pessoa dorme.

URUTAU — Pássaro fantasma tido como de mau agouro, sendo que suas penas são utilizadas para os mais diversos trabalhos, como é o caso da averiguação da fidelidade conjugal.

UTENSÍLIOS DE UMBANDA — Todas as religiões precisam dos seus apetrechos para trabalhar, mormente aquelas que têm a sua vida ligada à vida do homem terreno, como a Umbanda, que usa os elementos da natureza através de utensílios domésticos, onde põe a água, a aguardente (também chamada marafa), o vinho, a cerveja etc, a fim de extrair deles os fluidos necessários à prática de seus trabalhos de magia. As religiões, em geral, têm como base a água e o fogo, que são usados com os demais elementos da natureza, de acordo com o ritual de cada uma.

Sendo a Umbanda uma religião que vem da primitividade, é da mata que ela tira esses elementos, inclusive o seu coité (cuia) feito pelos índios e que os pretos-velhos (espíritos) transportaram, através do homem, para os seus trabalhos, as suas bebidas, mais para extrair delas fuidos do que mesmo para beberem.

Com esses elementos e mais as plantas, como a arruda, a guiné, a Espada-de-São-Jorge e outras, eles fazem os cruzamentos dentro de sua magia, proporcionando, no instante em que os seus fieis deles se aproximam, uma pequena descarga, de acordo com o seu ritual.

Sendo a Umbanda uma religião dedicada à caridade ela usa no seu ritual de desmanchos, oferendas, despachos etc., as suas vasilhas apropriadas para esse gênero de trabalho, aquilo que mais humilde lhe parece.